Informações do Post - - Jonas Henrique - - 14 de janeiro de 2018 | - 11:43 - - Home » » » - - 8 Comentários

Resenha: Aimó: Uma viagem pelo mundo dos orixás – Reginaldo Prandi

Capa do livro

Aimó realmente me proporcionou uma verdadeira viagem pelo mundo dos orixás, o livro escrito por Reginaldo Prandi é bem diferente de tudo que já li até agora e me surpreendeu positivamente. Neste livro somos apresentados a Aimó, uma garotinha africana que foi trazida para o Brasil como escrava que acabou morrendo e foi para no Orun, o mundo onde habitam os orixás e os espíritos dos mortos, por ter sido separada dos pais ainda muito jovem e acabou falecendo antes de se tornar uma adulta, Aimó não teve qualquer tipo de contato direto com as tradições do candomblé, não lembra o nome de seus familiares e muito menos o seu, por isso que é chamada de Aimó “a menina que ninguém sabe quem é” e para retornar (renascer) no Airé ( Terra) terá entrar em uma viagem de descobertas e conhecimentos pelas tradições do candomblé, sendo guiada pelos orixás Exu e Ifa.

Reginaldo Prandi é um autor bem conhecido, principalmente por sua contribuição para à preservação da cultura afro-brasileira –  inclusive com vários livros publicados abordando essa temática –  também escreveu diversos livros sobre sociedade e cultura brasileiras, e em Aimó, produziu uma narrativa de encher os olhos. Durante toda a leitura vamos conhecendo e aprendendo junto com a garotinha um pouco das histórias e  tradições afro-brasileiras. Outro ponto muito interessante é o período histórico em que essa história se passa, o autor leva ao leitor o período do Brasil Colonial, isso fica bem claro no diálogo dos orixás, onde falam que a escravidão separa os seus de suas famílias para sempre, e os fazem esquecer suas origens e seus orixás na “nova terra”.  O período de escravidão no Brasil teve início com a produção de açúcar na primeira metade do século XVI, somente no final do século XIX é que a escravidão foi mundialmente proibida e aqui somente em 1888 é que foi abolida. Durante esse tempo aconteceram várias revoltas e uma das mais marcantes foi justamente o modo como os africanos trazidos para o Brasil persistiram na manutenção de suas tradições culturais e religiosas, isso fica bem claro no livro escrito por Prandi.

Esta obra é uma forma muito interessante de conhecer uma pouco da história, das tradições religiosas e da cultura africana, essa que também faz parte da cultura de nosso país, um modo muito bom de nos despirmos de nossos preconceitos e de nossas intolerâncias. A leitura deste livro é repleta de informações que leva o leitor a conhecer um mundo diferente e mesmo que você não tenha um conhecimento prévio sobre o assunto,  cada ponto é detalhadamente explicado. Se você procura uma leitura que lhe proporcione boas dosagens de aprendizado, Aimó é um livro que muito provavelmente te agradará.

Fica técnica

Livro: Aimó: Uma viagem pelo mundo dos orixás

Autor: Reginaldo Prandi

Editora: Seguinte

Páginas: 200

Ano de lançamento: 2017




8 respostas para “Resenha: Aimó: Uma viagem pelo mundo dos orixás – Reginaldo Prandi”

  1. Leticia disse:

    Tenho muito interesse neste tipo de leitura que mostra de onde vem a raiz cultural do nosso país. Tendo em vista que o Brasil é composto de várias raças e vários credos. Gostei porque o livro conta a história de uma criança. E a escravidão é um tema que tenho extremo interesse. Inclusive indico ” O Livro dos Negros” uma excelente leitura. 😘
    http://www.maetoescrevendo.blogspot.com.br

  2. Pela tua resenha parece-me m livro muito interessante porque aborda a cultura afro-brasileira, a qual eu tenho pouco conhecimento. Gosto de livros que além de nos contarem uma história também nos ensinam a verdadeira HISTÓRIA.
    Bjnhs

  3. Josy Souza disse:

    O tema não é algo que me agrade muito, mas até tenho curiosidade sobre essa cultura. Parece uma ótima obra. Quem sabe um dia eu dê uma chance?
    Beijos

  4. Raíssa Zaneze disse:

    Oi! Eu acho muito importante livros que nos mostrem um pouco da cultura africana, até mesmo sua religião que até hoje sofre tanto preconceito. E talvez com um livro, que ainda tem uma criança como protagonista, seja mais fácil de conquistas leitores e admiradores. Acho que a pureza de uma criança conquista até o coração mais gelado.
    Não conhecia o livro ou o autor, mas fiquei feliz em saber que ele é brasileiro!
    Parabéns pela resenha. Beijos

    https://almde50tons.wordpress.com/

  5. Diego França disse:

    Olá, Reginaldo.

    Eu ainda vou ler esse livro. Acho amproposta interessante e eu realmente quero conhecer melhor e mais a cultura africana, afinal isso é muito do nosso país também, muito sobre onde vivo (em Salvador). E que bom que o autor é brasileiro, se aproxima mais da realidade da cultura.

    Um abraço,
    Diego, Blog Vida & Letras
    http://www.blogvidaeletras.blogspot.com
    Instagram: http://instagram.com/vidaeletras

  6. Paloma Martinez disse:

    Não tinha visto falar desse livro, mas acheei muito interessante, ameei sua resenha.

  7. Olá tudo bem? Confesso que nunca li nada nem parecido com esse livro mas fiquei curiosa e tenho certeza que irei gostar da leitura porque apesar de não ter lido nada sobre o assunto eu me interesso de certa forma.
    Espero gostar também
    Bjs

  8. Nilton Alves disse:

    Não conhecia esse livro, gostei da sua opinião sobre essa obra. Não é um livro que tenho interesse em ler mas para quem gosta e quer saber mais sobre a cultura afro é uma boa perdida.

O que achou? Comente!